ESTRUTURA DA INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL

Autores

  • Patrícia de Sá Freire Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
  • Júlio César Zilli Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC

DOI:

https://doi.org/10.21728/p2p.2023v10n1.p269-290

Palavras-chave:

Innovation, Innovation Management, Innovation Structure, Innovation Paradigm

Resumo

A inovação necessita de uma estrutura baseada em valores paradigmáticos que permitam a transmutação de uma organização voltada para a sobrevivência em numa organização pronta para aprender. Para entender esse contexto, foi realizada uma releitura teórica, traçando um paralelo entre a estrutura das revoluções científicas para o progresso da ciência e as estruturas de inovação para o desenvolvimento organizacional. Esta abordagem qualitativa aplicada pode ser considerada como um estudo descritivo exploratório de ordem bibliográfica. O estudo vai além da discussão do paradigma tecnológico para a compreensão dos paradigmas da inovação e das pessoas, construindo ao final, um framework da inovação organizacional, que promove a compreensão dos processos organizacionais internos que provocam o estado de crise necessário para a criação, implementação e aceitação da inovação. O framework proposto é uma ferramenta relevante para a compreensão do comportamento e desenvolvimento organizacional nos diferentes processos de inovação, sejam eles incrementais, distintivos ou radicais.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Patrícia de Sá Freire, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

    Professora Doutora do Departamento de Engenharia do Conhecimento e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina. Líder do ENGIN Laboratório de Engenharia da Integração e Governança Multinível do Conhecimento e da Aprendizagem Organizacional e membro dos Grupos IGTI (Núcleo de Inteligência, Gestão e Tecnologia para a Inovação/UFSC) e, do KLOM (Interdisciplinar em Conhecimento, Aprendizagem e Memória Organizacional/UFSC).

  • Júlio César Zilli, Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC

    Doutor em Engenharia e Gestão do Conhecimento - EGC/UFSC. Professor de graduação e pós-graduação/UNESC. Líder do Núcleo de Estudos Gestão e Estratégia em Negócios Internacionais – GENINT/UNESC. Gerente do Programa de Qualificação para Exportação - Núcleo PEIEX Criciúma/Lages. Idealizador dos programas Prata da Casa e Programa de Imersão Empresarial – PRIME (PRIME Experience e PRIME Class). Membro do Laboratório Engenharia da Integração e Governança Multinível do Conhecimento e da Aprendizagem Organizacional – ENGIN/UFSC.

Referências

ATOTHE, C. Capability lifecycles: an insight from the innovation capability evolution in emerging economies. In: ANNUAL CLADEA CONFERENCE, 42, 2007, Miami. Anais […] Miami: Florida International University, 2007.

BAREGHEH, A.; ROWLEY, J.; SAMBROOK, S. Towards a multidisciplinary definition of innovation. Management Decision, v. 47, n. 8, 1323–1339, 2009.

CASSIOLATO, J. E. (1999). A economia do conhecimento e as novas políticas industriais e tecnológicas. In: LASTRES, H.; ALBAGLI, S. (Org.). Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, p.164-190, 1999.

COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Absorptive capacity: a new perspective on learning and innovation. Administrative Science Quarterly, n. 35, p.128–152, 1990.

DAVILA, T.; EPSTEIN, M.; SHELTON, R. As regras da inovação. Porto Alegre: Bookman, 2007.

DOSI, G. Technological paradigms and technological trajectories: a suggested interpretation of the determinants and directions of technical change. Research Policy, v. 11, n. 2, p. 147-162, 1982.

DRUCKER, P. Inovação e espírito empreendedor. São Paulo: Pioneira, 1987.

FLECK. L. Scientific observation and perception in general. In: COHEN, R. S.; SCHNELLE, T. (Eds.). Cognition and fact. Dordrecht: Reidel Publishing Company, p. 59-78, 1986a.

FLECK, L. La génesis y el desarrollo de un hecho científico. Madrid: Alianza Editorial, 1986b.

FLECK. L. The problem of epistemology. In: COHEN, R. S.; SCHNELLE, T. (Eds.). Cognition and fact. Dordrecht: Reidel Publishing Company, p. 59-78, 1986c;

FREIRE, P. S. et al. Compartilhamento do conhecimento, base para inovação. Rev. CCEI - URCAMP, v. 14, n. 25, p. 87-103,2010.

FREIRE, P. S., et al. Re-significando a cultura organizacional de uma empresa brasileira de TI como um sistema complexo capaz de promover inovação. In: SIMPÓSIO DE GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, Anais [...], Rio de Janeiro: ANPAD, 2008.

HAYES, R. et al. Em busca da vantagem competitiva: produção, estratégia e tecnologia. Porto Alegre: Bookman, 2008.

HAMEL, G; PRAHALAD, C. K. Competindo pelo futuro. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

KNIGHT, K. A descriptive model of the intra-firm innovation process. The Journal of Business, v. 40, n. 4, p. 478-496, 1967.

KOGUT, B.; ZANDER, U. Knowledge of the firm, combinative capabilities, and the replication of technology. Organization Science, v. 3, n. 3. p. 383-397, 1992.

KUHN, T. S. A estrtutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2006.

LEONARD-BARTON, D. Nascentes do saber: criando e sustentando as fontes de inovação. Rio de Janeiro, FGV, 1998.

MANUAL DE OSLO. Proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. 2010. Disponível em: http://www.finep.gov.br/images/a-finep/biblioteca/manual_de_oslo.pdf. Acesso em: 03.04.2023.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005.

NELSON, R., WINTER, S. An evolutionary theory of economic change. Cambridge: Harvard University Press, 1982.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo, Nova Cultural, 1988.

SENGE, P. A. Quinta disciplina: arte e prática da organização que aprende. Rio de Janeiro: Best Seller, 2006.

SHELDRAKE, R. A ressonância mórfica e a presença do passado: os hábitos da natureza. Lisboa: Instituto Piaget, 1995.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da inovação: integração das mudanças tecnológicas, de mercado e organizacionais. Lisboa: Monitor, 2003.

TIGRE, P. B. Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de janeiro: Elsevier, 2006.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 2005.

ZAHARA, S. A.; GEOGE, G. Absorptive capacity: a review, reconceptualisation and extension. Academy of Management Review, v. 27, n. 2. p. 185-203, 2002.

Publicado

14/09/2023 — Atualizado em 24/09/2023

Versões

Edição

Seção

Inovação

Como Citar

DE SÁ FREIRE, Patrícia; ZILLI, Júlio César. ESTRUTURA DA INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL. P2P E INOVAÇÃO, Rio de Janeiro, RJ, v. 10, n. 1, p. 269–290, 2023. DOI: 10.21728/p2p.2023v10n1.p269-290. Disponível em: https://revista.ibict.br/p2p/article/view/6491.. Acesso em: 22 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 109

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)