Identificação do grau de maturidade em gestão do conhecimento no setor de ensino: um estudo no Instituto Federal Catarinense Câmpus Araquari

André Luis Fachini de Souza, Angela Regina Heinzen Amin Helou, Ana Paula Lisboa Sohn

Resumo


Este estudo identificou o nível de maturidade em gestão do conhecimento (GC) no setor de ensino do Instituto Federal Catarinense (IFC) Câmpus Araquari, instituição pública de ensino localizada na região norte do Estado de Santa Catarina, que oferece cursos que variam desde formação inicial e continuada até a pós-graduação. Utilizou-se o modelo de maturidade em GC proposto por Batista (2012). Este modelo é composto por sete critérios (liderança em GC, processo, pessoas, tecnologia, processos de conhecimento, aprendizagem e inovação, e resultados da GC) e 42 assertivas, as quais foram pontuadas em uma escala que variou de 1 a 5, por gestores do setor de ensino câmpus, responsáveis por coordenações gerais e de cursos, ambos envolvidos no planejamento do ensino na instituição. Foram analisadas as percepções da Direção Geral e a de Ensino, Coordenação Geral de Graduação, Coordenação Geral de Ensino Técnico e coordenadores de cursos superiores e técnicos. A análise dos resultados revelou que o câmpus se encontra no nível de maturidade em gestão do conhecimento (96 pontos), o que demonstra o reconhecimento da necessidade de gerenciar o conhecimento e a sua importância e benefícios para a gestão da instituição.

Palavras-chave


IFC Câmpus Araquari; Gestão do conhecimento; Maturidade

Texto completo:

PDF

Referências


BALBINO, J.N.; NUNES, H.F.; QUEIROZ, F.C.B.P. O estágio de desenvolvimento da gestão do conhecimento nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 6(2):80-98, 2016.

BATISTA, F.F. Modelo de gestão do conhecimento para a administração pública brasileira: como implementar a gestão do conhecimento para produzir resultados em benefício do cidadão. Brasília: Ipea, 2012. 132p.

BERNHEIM, C.T. Desafios da universidade na sociedade do conhecimento: cinco anos depois da conferência mundial sobre educação superior/Carlos Tünnermann Bernheim e Marilena de Souza Chauí. Brasília: UNESCO, 2008. 44p.

BRASIL. Constituição (1998). Emenda Constitucional nº 19, de 19 de junho de 1998. Modifica o regime e dispõe sobre princípios e normas da Administração Pública, servidores e agentes políticos, controle de despesas e finanças públicas e custeio de atividades a cargo do Distrito Federal, e dá outras providências. Emenda Constitucional. Brasília, DF, 04 jun. 1998.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 35. ed. São Paulo: Saraiva, 2005.

CAPOBIANGO, R.P., NASCIMENTO, A.L., SILVA, E.A.; FARONI, W. Reformas Admi-nistrativas no Brasil: uma abordagem teórica e crítica. REGE - Revista de Gestão, 20(1): 61–78, 2013.

CARNEIRO, A. How does knowledge management influence innovation and competitiveness? Journal of Knowledge Management, 4(2): 87–98, 2000.

CECOM/REITORIA (Blumenau) (2016). Instituto Federal Catarinense. Curso sobre INDICADORES DE DESEMPENHO INSTITUCIONAL É REALIZADO NO IFC. 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 jul. 2017.

COLAUTO, R.D.; BEUREN, I.M. Proposta para avaliação da gestão do conhecimento em entidade filantrópica: o caso de uma organização hospitalar. RAC, 7(4):163-185, 2003.

COSTA, F.L. Brasil: 200 anos de Estado; 200 anos de administração pública; 200 anos de reformas. Revista de Administração Pública, 42(5):829-74, 2008.

CRISTOFOLINI, N.J.; POCERA, J.A.; MONZANI, R.M.; OLIVEIRA, S.R. Uma história de sucesso: os 50 anos do ensino agrícola em Araquari. Instituto Federal Catarinense Campus Araquari, 2009. 53p.

DEL-REY-CAMORRO, F.M.; ROY, R.; WEGEN, B.V. e STEELE, A. A framework to create key performance indicators for knowledge management solution. Journal of Knowledge Management, 7(2): 46-62, 2003.

DENHARDT, R.B. Teorias da administração pública. São Paulo: Cengage Learning, 2015, 367p.

DENHARDT, J.V.; DENHARDT, R.B. The New Public Service: Serving, not Steering. Exp. ed. New York: M.E. Sharpe, 2007.

DRUCKER, P.F. O melhor de Peter Drucker: a sociedade. São Paulo: Nobel, 2002. 188p.

EHMS, K.; LANGEN, M. Holistic development of knowl- edge management with KMMM. Siemens AG, Alemanha, 2002.

FONSECA, A.F. Organizational Knowledge Assessment Methodology. Washington, DC: World Bank, 2006. Disponível em: . Acessado em 09 set. 2017.

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE. (Org.). Plano de Desenvolvimento Institucional do Instituto Federal Catarinense. 2014. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2017.

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE (Brasil) (2016). Secretaria de Ensino Técnico do Mec. Sobre o IFC. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2016, 356p.

KHATIBIAN, N.; HASAN, T.; JAFARI, H.A. Measurement of knowledge management maturity level within organizations. Business Strategy Series, 11(1): 54-70, 2010.

KRUGER, C.J.; SNYMAN, M.M.M. Guidelines for assessing the knowledge management maturity of organizations. South African Journal of Information Management, 9(3): 1-11, 2007.

KULKARNI, U.; FREEZE, R. Development and validation of a knowledge management capability assessment model. Twenty-Fifth International Conference on Information Systems, 2004.

LEE, J.H. e KIM, Y.G. A stage model of organizational knowledge management: a latent content analysis. Expert Systems with Applications, 20(4): 299-311, 2001.

LIN, H.F. A stage model of knowledge management: an empirical investigation of process and effectiveness. Journal of Information Science, 33(6): 643-659, 2007.

MEHTA, N.; OSWALD, S. e MEHTA, A. Infosys Technologies: improving organizational knowledge flows. Journal of Information Technology, 22(4): 456-464, 2007.

MELO, M.M.R.; PACHECO, G.S.; GUTTSCHOW; RYBANDT, R. (Org.) IFC Campus Araquari: campo de pesquisa e objeto de estudos. Blumenau: IFC, 2015.

NONAKA, I.; KROGH, G.V.; VOELPEL, S. Organizational knowledge creation theory: evo-lutionary paths and future advances. Organizational Studies, 27(8): 1179-1208, 2006.

NOKATA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997. 376p.

NONAKA, I. The knowledge-creating company. Harvard Business Review, 2007. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2017.

NORTH, K.; HORNUNG, T. Benefits of knowledge management: results of the German Award “Knowledge Management 2002”. Journal of Universal Computer Science, 9(6):463-471, 2003.

OLIVEIRA, M.; PEDRON, C.; ROMÃO, M.; BECKER, G. Proposta de um modelo de maturidade para gestão do conhecimento: KM3. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, 10(4):11-25, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 André Luis Fachini de Souza, Angela Regina Heinzen Amin Helou, Ana Paula Lisboa Sohn

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.


Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict)
SAUS - Setor de Autarquias Sul, Quadra 5, Lote 6, Bloco H
Seção de Editoração - sala 500
CEP 70070-912
Brasília-DF, Brasil

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo publicado nesta revista está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.