Desafios do ensino superior brasileiro em tempos de pandemia da Covid-19: repensando a prática docente

Palavras-chave: Ensino Remoto Emergencial, Educação Superior, Tecnologias

Resumo

A pandemia da COVID-19 parou o mundo e várias medidas para erradicar o contágio foram adotadas, uma delas é o isolamento social, com restrições e fechamento provisório de escolas e universidades, no Brasil, de acordo com a Lei nº 13.979, de 06 de fevereiro de 2020 e Portaria MEC nª 343, de 17 março de 2020. O modo de ensinar e aprender cedeu espaço exclusivo a remotividade do ensino, com a utilização das TDIC's e emergentemente professores e estudantes tiveram que se adaptar abruptamente. Nesse sentido, o objetivo deste artigo é apresentar os desafios didático-pedagógicos da prática docente do ensino superior brasileiro em tempos de pandemia. Como metodologia, trata-se de uma abordagem qualiquantitativa, descritiva, bibliográfica, documental e exploratória, buscando ancorar nas teorias clássicas e contemporâneas da educação. Os resultados, baseados nas 442 pessoas entrevistadas, no período de 01 a 25 de julho de 2020, apontam desafios impostos aos professores nativos do ensino presencial e que enfrentam a adaptabilidade do uso das tecnologias educacionais, para fomentar discussões e alternativas híbridas de ensino e aprendizagem

Biografia do Autor

Alan Silus, Centro Universitário UNIGRAN Capital, Campo Grande, MS, Brasil; Grupo de Pesquisa Educação, Cultura e Diversidade, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS, Brasil

Alan Silus. Professor Mestre. Docente do Centro Universitário da Grande Dourados - UNIGRAN. Membro do Grupo de Pesquisa "Educação Cultura e Diversidade" da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS). Campo Grande-MS, Brasil. E-mail:alan.silus.cruz@gmail.com. Lattes: http://lattes.cnpq.br/6664953726463670. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-7281-261X.

Angelita Leal de Castro Fonseca, Centro Universitário UNIGRAN Capital, Campo Grande, MS, Brasil

UNIGRAN Capital. Membro do Grupo de Pesquisa “Práticas Educativas Inclusivas: Reconstruindo  a Escola” Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS).  Campo Grande-MS, Brasil. E-mail:angelitalealdecastrofonseca@gmail.com Lattes: http://lattes.cnpq.br/8594511830440008. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-7603-6363.

Djanires Lageano Neto de Jesus, Grupo de Pesquisa Educação, Cultura e Diversidade, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS, Brasil

Djanires Lageano Neto de Jesus. Professor Doutor. Docente e Membro do Grupo de Pesquisa "Educação Cultura e Diversidade" da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS). Campo Grande-MS, Brasil. E-mail: netoms@uems.br. Lattes: http://lattes.cnpq.br/0080447988753959. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-1434-5080.

Referências

ANTUNES, F. R.; OLIVEIRA, A. A. P.; APOSTÓLICO, M. R.; PUGGINA, A. C. G, Motivação de alunos de cursos presenciais para o uso de tecnologias digitais em disciplinas on-line. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 41, 2020.

BACICH, L; TANZI NETO, A; TREVISANI, F. M. (orgs.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

BELLONI, M. L. O que é mídia-educação. 3. ed. Campinas (SP): Autores Associados, 2012. (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo).

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: Casa Civil, 1996.

BRASIL. Lei nº 13.979, de 06 de fevereiro de 2020. Brasília: Presidência da República, 2020a.

BRASIL. Ministério da Educação. Referenciais de qualidade para educação superior a distância. Brasília: MEC/ SEED, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria MEC nª 343, de 17 março de 2020. Brasília: Ministério da Educação, 2020b.

CAMARGO, F; DAROS, T. A sala de aula inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo. Porto Alegre: Penso, 2018.

CHARLOT, B. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez, 2013. (Coleção Docência em Formação, Série Saberes Pedagógicos).

DENZIN, N. The research act: a theoretical introduction to sociological methods. Routledge: London, 2009.

DIAS; A.; ANJOS; V.; ARAÚJO, B. Os princípios FAIR: viabilizando o reuso de dados científicos. Em: Dados científicos: perspectivas e desafios. João Pessoa: Editora UFPB, 2019.

FEDRIZZI, A. et al. As escolas e a sociedade do futuro. In: EDUCAÇÃO 3.0: novas perspectivas para o ensino. São Leopoldo, RS: Unisinos, 2017.

FILATRO, A; CAVALCANTI, C. C. Metodologias inovativas na educação presencial, a distância e corporativa. São Paulo: Saraiva Educação, 2018.

GATTI, B. A. Estudos quantitativos em educação. Educação e Pesquisa, v. 30, n. 1, p. 11-30, jan./abr. 2004.

GIL, A. C. Didática do ensino superior. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2018.

GODÓI E SILVA, K. A. de. Processo de formação continuada de professores do ensino superior: significados da escolha e avaliação de materiais didáticos digitais. In: EDUCAÇÃO na Era Digital: entrelaçamentos e aproximações. Curitiba: Editora CRV, 2016.

GÓMEZ, Á. I. P. Educação na Era Digital: a escola educativa. Trad. Marisa Guedes. Porto Alegre: Penso, 2015.

GUION, L. A. Triangulation: establishing the validity of qualitative. 2002.

HOLGES, C. et al. The difference between emergency remote teaching and online learning. EducaseReview, 2020.

LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e pedagogos, para que?. São Paulo: Cortez, 1998.

MÁRQUEZ, E. F.; OLIVENCIA, J. J. L.; MENESES, E. L. Competências digitales em docentes de Educación Superior. Revista Digital de Investigación en Docencia Universitaria-RIDU, v. 12, n. 1, 2018.

MASETTO, M. T. (org.). Docência na Universidade. 4. ed. Campinas: Papirus, 2002.

MATTAR, J. Web 2.0 e redes sociais na educação. São Paulo: Artesanato Educacional, 2013.

MORÁN, J. M. Mudando a educação com metodologias ativas. In: CONVERGÊNCIAS midiáticas, educação e cidadania: aproximações jovens. Ponta Grossa, PR: PROEX/ UEPG, 2015. (Coleção Mídias Contemporâneas, v. 2).

MOREIRA, J. A. M.; HENRIQUES, S.; BARROS, D. Transitando de um ensino remoto emergencial para uma educação digital em rede, em tempos de pandemia. Dialogia, n. 34, p. 351-364, jan./abr. 2020.

OLIVEIRA, R. S. N.; FERREIRA, A. R.; FRANCISCO, D. J. Práticas de letramento digital no ensino superior: implicações na formação inicial de professores. Debates em Educação, v. 12, n. 26, jan./abr. 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA - UNESCO. Metade dos alunos fora da escola não tem computador em casa. 2020.

RESNICK. L. B.; LEVINE, J. M.; TASLEY, S. D. Perspectives on social shared cognition. Washington: APA, 1991.

ROJO, R. Pedagogia dos multiletramentos: diversidade cultural e de linguagens na escola. In: MULTILETRAMENTOS na escola. São Paulo: Parábola, 2009. (Coleção Estratégias de Ensino).

SPIEGEL, M. R. Manual de fórmulas, métodos e tabelas de matemática. São Paulo: Schaum McGraw-Hill, 1992.

SUGUIMOTO, H. H.; ROLIM, A. T.; MAZZAFERA, B. L.; MOURA, F. A. A. F. Avaliação do letramento digital de alunos ingressantes do ensino superior: uma abordagem exploratória do conhecimento computacional, comunicacional e informacional. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 98, n. 250, p. 805-821, set/dez. 2017.

TORI, R. F. Cursos híbridos ou blended learning. In: EDUCAÇÃO a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009. V. 1.

VALENTE, J. A. A sala de aula invertida e a possibilidade do ensino personalizado: uma experiência com a Graduação em Midialogia. In: METODOLOGIAS ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

Publicado
11/12/2020
Como Citar
SilusA., Leal de Castro FonsecaA., & Lageano Neto de JesusD. (2020). Desafios do ensino superior brasileiro em tempos de pandemia da Covid-19: repensando a prática docente. Liinc Em Revista, 16(2), e5336. https://doi.org/10.18617/liinc.v16i2.5336
Seção
Perspectivas e desafios informacionais em tempos da pandemia da Covid-19