Pseudônimos de autoras, aspectos contigenciais e o seu protagonismo social: FRAD, FRSAD e a representação temática em catálogos online

Autores

  • Suellen Oliveira Milani Universidade Federal Fluminense
  • Brisa Pozzi de Sousa Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

DOI:

https://doi.org/10.18617/liinc.v14i2.4474

Resumo

RESUMO Partindo dos modelos conceituais Requisitos funcionais para dados de autoridade e Requisitos funcionais para dados de autoridade de assunto, a investigação busca perspectivas que propiciem aos catálogos de biblioteca dar visibilidade à representação temática dos pseudônimos de autoras que, principalmente entre o início do século XIX e meados do século XX, optaram por ou foram forçadas a assinar as suas obras com nomes masculinos ou ambíguos. Para tanto, a forma exploratória e qualitativa subsidiou a investigação, com destaque para o referencial da organização do conhecimento que discute questões socialmente impostas por um nome que é materializado em um registro catalográfico. Exemplos advindos dos catálogos de autoridade da Library of Congress e da Biblioteca Nacional do Brasil são discutidos, bem como o protagonismo social que esses registros podem assumir.

Palavras-chave: Modelo conceitual; FRAD; FRSAD; Pseudônimos; Representação Temática; Protagonismo Social.

Downloads

Publicado

17/12/2018

Edição

Seção

Organização do Conhecimento: agendas sociopolíticas e seus conflitos históricos

Como Citar

Pseudônimos de autoras, aspectos contigenciais e o seu protagonismo social: FRAD, FRSAD e a representação temática em catálogos online. Liinc em Revista, [S. l.], v. 14, n. 2, 2018. DOI: 10.18617/liinc.v14i2.4474. Disponível em: https://revista.ibict.br/liinc/article/view/4474.. Acesso em: 15 jul. 2024.