Governança ambiental: transparência e efetividade de práticas sustentáveis em IES

Autores

  • Úrsula Maruyama Departamento de Administração, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Rio de Janeiro, RJ, Brasil https://orcid.org/0000-0001-8350-229X
  • Aline Monteiro Guimarães Trigo Divisão de Estratégia para Sustentabilidade Ambiental Institucional, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Rio de Janeiro, RJ, Brasil https://orcid.org/0000-0003-3639-8471
  • José Aires Trigo Mestrado Profissional em Administração e Desenvolvimento Empresarial, Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, RJ, Brasil https://orcid.org/0000-0002-8382-3189

DOI:

https://doi.org/10.18617/liinc.v18i1.5922

Palavras-chave:

Governança Ambiental, Consumo Sustentável, Desinformação, Instituições Públicas de Ensino Superior

Resumo

A desinformação causada pelo modelo de desenvolvimento predatório, ambientalmente e socialmente injusto torna-se o cenário para uma reflexão crítica voltada a uma maior conscientização ambiental e urgente mudança de paradigmas. Considerando a importância de políticas públicas voltadas à sustentabilidade ambiental e o papel de interlocução com diversos atores que as instituições de ensino superior (IES) promovem, este artigo busca avaliar a percepção de gestores de campi universitários do Cefet-RJ quanto ao cumprimento das recomendações do Plano de Gestão de Logística Sustentável (PLS) em suas unidades. Para tanto, foi aplicado um questionário, com base na escala de Likert e, posteriormente, sob a perspectiva descritiva, as informações obtidas foram consolidadas. Observou-se que, embora as práticas efetivamente conduzidas já estejam alinhadas com a governança ambiental, ainda há necessidade de promover novas ações que estimulem cada vez mais a conscientização ambiental, não somente ‘intramuros’, mas também na formação cidadã. Apesar do estudo trazer uma reflexão baseada na percepção de gestores que avaliam a implementação das iniciativas, os resultados não permitem generalizações consistentes, mas visam contribuir para eventuais trabalhos, que busquem maior robustez, através do aumento do número de respondentes

Biografia do autor

Úrsula Maruyama, Departamento de Administração, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Educação (PPCTE/CEFET-RJ) com a linha de pesquisa Inovação na Educação Tecnológica. Graduada em Administração Industrial pelo CEFET-RJ , MBA Gerenciamento de Projetos, especialização em Língua Inglesa, especialização em Gestão de Recursos Humanos e MBA Gestão Pública. Formada no ensino técnico do CEFET-RJ como eletrotécnica, estagiou no CEPEL/Eletrobrás e trabalhou em multinacionais como ABB, Petroflex (Lanxess) e Shell. Morou 2 anos em Washington DC (E.U.A.) em intercâmbio cultural e ao retornar trabalhou 5 anos nas áreas de Logística Industrial e Negócios Grandes Contas da White Martins. Professora temporária no curso técnico de Administração CEFET-RJ (2011-2013). Professora de Marketing II e Logística na graduação de Administração Industrial (CEFET-RJ). Atualmente é analista na Gerência de Controles Internos na BB Tecnologia e Serviços, empresa controlada pelo Banco do Brasil SA e Bolsista do Programa de Produtividade Acadêmica para Coordenadores de Disciplina (PA2) nos cursos de graduação oferecidos pelo Consórcio CEDERJ, coord. disciplina Gerenciamento de Projetos.

Aline Monteiro Guimarães Trigo, Divisão de Estratégia para Sustentabilidade Ambiental Institucional, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Doutora e Mestre em Planejamento Ambiental (PPE) da COPPE/UFRJ, Graduada em Engenharia Química (UFRJ) e em Licenciatura em Química (UERJ). Professora dos cursos de ensino superior do CEFET/RJ. Desenvolve projetos institucionais de extensão e de iniciação científica. Atualmente, é chefe da Divisão de Estratégia para Sustentabilidade Ambiental Institucional (DISAI/DIGES/CEFET/RJ). Publicou artigos em periódicos e em eventos nacionais e internacionais. Possui capítulos em livros publicados/ organizados, além de produtos tecnológicos. Atua na área de meio ambiente, com ênfase em gestão ambiental, educação ambiental, economia ambiental e saneamento ambiental. Em suas atividades profissionais interagiu com 23 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos.

José Aires Trigo, Mestrado Profissional em Administração e Desenvolvimento Empresarial, Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Doutor em Ciência Política pela Universidade Candido Mendes, Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Graduado em Economia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e licenciado em Matemática pela Universidade Castelo Branco. Atualmente é professor da Universidade Estácio de Sá – UNESA, atuando em nível de graduação e pós-graduação, especialmente, no Mestrado Profissional em Administração e Desenvolvimento Empresarial (MADE) da UNESA. Tem experiência profissional na área de gestão e economia, com ênfase em Ambiente e Finanças.

Referências

BARROS, Ana Caroline de Sousa et al., 2021. Práticas de Sustentabilidade em Instituições de Ensino Superior (IES): Uma Análise Preliminar dos Planos de Gestão de Logística Sustentável (PLS) dos Institutos Federais (IFs). 21° USP International Conference in Accounting. São Paulo, 28 a 30 de julho 2021.[Acesso em 13 maio 2022]. DOI: http://dx.doi.org/10.5007/1983-4535.2017v10n4p204 Disponível em: https://congressousp.fipecafi.org/anais/21UspInternational/ArtigosDownload/3488.pdf

BASTOS, C., 2020. Economia linear: conceito e efeito. Sustentabilidade. Folha Vitória [em linha]. Dezembro.

BAUMAN, Z., 2018 Vida para consumo [em linha]: a transformação das pessoas em mercadorias. Rio de Janeiro: Zahar.

BIZERRIL, M.X.A; ROSA, M.J.; CARVALHO, T., 2018.Construindo uma Universidade Sustentável: Uma discussão baseada no caso de uma universidade portuguesa

Revista da Avaliação da Educação Superior [em linha]. Jul-Oct. Vol. 23, n.2. [Acesso em 13 maio 2022]. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-40772018000200009

BRASIL. Decreto n. 7.746, de 5 de junho de 2012. Diário Oficial da União [em linha], Brasília, DF, 05/06/2012.

BRASIL. Decreto n. 9.178, de 23 de outubro de 2017. Diário Oficial da União [em linha], Brasília, DF, 24/10/2017.

BRASIL. Portaria n. 326, de 23 de julho de 2020. Diário Oficial da União [em linha], Brasília, DF, 24/07/2020.

BRAUNMÜHL, C.V.; WINTERFELD, U.V., 2005. Sustainable governance: Reclaiming the political sphere. Reflections on sustainability, globalisation and democracy: Which globalisation is sustainable? Wuppertal Papers [em linha]. n. 135. [Acesso em 13 maio 2022]. Disponível em: https://www.econstor.eu/bitstream/10419/106827/1/816848831.pdf

CAVALCANTI, C., 2004. Economia e Ecologia: Problemas da Governança Ambiental no Brasil Revista Iberoamericana de Economia Ecológica [em linha]. Vol. 1, p. 1-10. [Acesso em 13 maio 2022]. Disponível em: https://redibec.org/ojs/index.php/revibec/article/view/340

CEFET-RJ. Portaria [em linha] n.1463, de 26 de dezembro de 2017. Rio de Janeiro, 2017.

CEFET-RJ. Resolução [em linha] n. 44, de 14 de setembro de 2018. Rio de Janeiro, 2018.

CEFET-RJ. Resolução [em linha] n. 56, de 23 de novembro de 2018. Rio de Janeiro, 2018.

CEFET-RJ. Relatórios de Sustentabilidade [em linha]. Rio de Janeiro, 2021.

CEFET-RJ. 2022a Cefet-RJ participa, pela primeira vez, do Ranking Mundial de Sustentabilidade. Notícias Cefet-RJ [em linha].

CEFET-RJ. 2022b. Comitê de Sustentabilidade Institucional (COSAI). Documento institucional [em linha].

CHANKSELIANI, M., McCOWAN, T., 2021. Higher education and the Sustainable Development Goals. Higher Education [em linha]. vol. 81, p. 1–8. [Acesso em 13 maio 2022]. DOI: https://doi.org/10.1007/s10734-020-00652-w Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s10734-020-00652-w

DIEHL, A.; TATIM, D., 2004. Pesquisa em ciências sociais aplicadas [em linha]: métodos e técnicas. São Paulo: Prentice-Hall.

FILGUEIRAS, F. et al., 2015. Relatório Final [em linha]. Projeto O fortalecimento das instituições de accountability no Brasil. p. 1–123.

FOGARASSY, C., NGUYEN, H. H., OLAH, J., & POPP, J., 2018. Transition management applications to accelerate sustainable food consumption – comparative analysis between Switzerland and Hungary. Journal of International Studies [em linha]. Vol. 11, n. 3, p. 31-43. [Acesso em 13 maio 2022]. Disponível em: https://www.jois.eu/files/3_529_Fogarassy%20et%20al.pdf

FRANCO, S.C. et al., 2017. Plano de gestão de logística sustentável e seus indicadores: o conteúdo mínimo de divulgação, conscientização e capacitação nas universidades federais brasileiras. Revista GUAL [em linha]. Florianópolis. Vol. 10, n. 4, p. 204-226. [Acesso em 13 maio 2022]. DOI: http://dx.doi.org/10.5007/1983-4535.2017v10n4p204 Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/gual/article/download/1983-4535.2017v10n4p204/35456/182236

GAZZONI, F. et al., 2018. O papel das IES no desenvolvimento sustentável: estudo de caso da Universidade Federal de Santa Maria. Revista Gestão Universitária na América Latina – GUAL [em linha]. Vol. 11, n. 1, pp. 48-70. [Acesso em 13 maio 2022] DOI: https://doi.org/10.5007/1983-4535.2018v11n1p48 Disponível em: https://www.redalyc.org/journal/3193/319355896003/html/

GIL, A.C., 2017. Como elaborar projetos de pesquisa [em linha]. 6 ed. São Paulo: Atlas.

GLOBAL FOOTPRINT NETWORKING, 2021. Dia da Superação. Pegada Ecológica [em linha].

GOMIDES, J.E.; SILVA, A.C., 2009. O surgimento da expressão ‘governance’, governança e governança ambiental. Revista de Ciências Gerenciais [em linha]. Vol. XIII, n. 18, p.177-194. [Acesso em 13 maio 2022]. DOI: https://doi.org/10.17921/1415-6571.2009v13n18p177-194

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M.N., 2012. As ciências sociais e as questões da informação. Morpheus - Revista Eletrônica em Ciências Humanas [em linha]. Ano 9, n. 14. [Acesso em 13 maio 2022]. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/morpheus/article/view/4832

HUCKLE, J.; WALS, A., 2015. The UN Decade of Education for Sustainable Development: business as usual in the end. Environmental Education Research [em linha]. Março. Vol.21, n. 3, p. 491-505. [Acesso em 13 maio 2022]. DOI: https://doi.org/10.1080/13504622.2015.1011084

JACKSON, T., 2009. Prosperity without growth: economics for a finite planet [em linha]. Sterling, VA: Earthscan.

LANZARIN, J. et al., 2018. Agenda ambiental da administração pública em instituições federais de ensino superior. Brazilian Journal of Development [em linha]. Junho. Vol. 4, n. 3, p. 1020-1044. [Acesso em 15 maio 2022]. DOI https://doi.org/10.34117/bjdv4n3-166 Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/166#:~:text=A%20conscientiza%C3%A7%C3%A3o%20sobre%20a%20sustentabilidade,governamentais%20s%C3%A3o%20incentivados%20a%20aderir.

LAYRARGUES, P. P., 2011. Gestão Ambiental e Universidades [em linha]: um caminho pedagógico para a sustentabilidade. Brasília: Cidade Gráfica e Editora.

LAYRARGUES, P., 2012. Educação ambiental no Brasil: o que mudou nos vinte anos entre a Rio 92 e a Rio+20. Com Ciência: revista eletrônica de jornalismo científico [em linha]. [Acesso em 13 maio 2022]. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/297198674_Educacao_Ambiental_no_Brasil_o_que_mudou_nos_vinte_anos_entre_a_Rio-92_e_a_Rio20

MARINHO, M.; GONÇALVES, M.S.; KIPERSTOK, A., 2014. Water conservation as a tool to support sustainable practices in a Brazilian public university. Journal of Cleaner Production [em linha]. January 2014. Vol.62, p.98–106. [Acesso em 13 maio 2022]. DOI https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2013.06.053

MARTINEZ-ALIER, J., 2001. Mining conflicts, environmental justice, and valuation. Journal of Hazardous Materials [em linha]. n. 86, p. 153-170. [Acesso em 13 maio 2022]. DOI https://doi.org/10.1016/S0304-3894(01)00252-7

MATIAS-PEREIRA, J., 2014. Curso de Administração Pública [em linha]: Foco Nas Instituições e Ações Governamentais. 4ª ed. São Paulo: Atlas.

MATIAS-PEREIRA, J., 2010. A governança corporativa aplicada no setor público brasileiro. Administração Pública e Gestão Social [em linha]. jan./mar. 2010. Vol.2, n.1, p. 109-134. [Acesso em 13 maio 2022]. DOI: https://doi.org/10.21118/apgs.v2i1.4015

MATIAS-PEREIRA, J., 2008. Administração pública comparada: uma avaliação das reformas administrativas do Brasil, EUA e União Europeia. Revista de Administração Pública [em linha]. jan./fev. 2008. Vol.42, n.1, p.61-82. [Acesso em 13 maio 2022]. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-76122008000100004

MARUYAMA, U.; ISSBERNER, L.; PRADO, P., 2021. Cultivando as sementes da Educação para a Sustentabilidade: Regime de Informação na IES Pública Brasileira. Revista Administração: Ensino e Pesquisa [em linha]. mai-ago, 2021. Vol.22, n.2, p.303-343. [Acesso em 13 maio 2022]. DOI: https://doi.org/10.13058/raep.2021.v22n2.1978 Disponível em: https://raep.emnuvens.com.br/raep/article/download/1978/440

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental. Portaria nº 3, de 27 de Fevereiro de 2018. Programa A3P. Diário Oficial da União [em linha], Brasília, DF, 01/03/2018.

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, 2012. Instrução Normativa n. 10, de 12 de novembro de 2012. Plano de Gestão de Logística Sustentável [em linha]. Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação – SLTI.

MOTTA, W., ISSBERNER, L., PRADO, P., 2018. Life cycle assessment and eco-innovations: What kind of convergence is possible? Journal of Cleaner Production [em linha]. Vol. 187, p. 1103-1114. [Acesso em 13 maio 2022]. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2018.03.221

MOURA, A. Environmental policy and governance in Brazil, 2017. In: LÉNA, P.; ISSBERNER, L. Brazil in the Anthropocene [em linha]: conflicts between predatory development and environmental policies. New York: Routledge.

OLIVO, R.; ALVES, R., 2008. Estratégias de ensino para a prática da educação ambiental. Synergismus scyentifica [em linha]. UTFPR, Pato Branco. vol.3, p.2-3. [Acesso em 13 maio 2022]. Disponível em: http://revistas.utfpr.edu.br/pb/index.php/SysScy/article/download/431/218

PEREIRA, Roselaine Ferreira Rodrigues, 2017. Plano de gestão de logística sustentável em uma instituição pública de ensino. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar em Educação, Ambiente e Sociedade) – Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino, São João da Boa Vista. [Acesso em 13 maio 2022]. Disponível em: https://www.fae.br/mestrado/dissertacoes/2017/Disserta%C3%A7%C3%A3o-Roselaine%20Ferreira%20Rodrigues%20Pereira-25-01-2018.pdf

PEREIRA R. S., BARBOSA G. E. M., 2018. Plano de Logística Sustentável – PLS: um estudo comparativo em Universidades Federais da Região Metropolitana de São Paulo. Organizações em contexto [em linha]. São Bernardo do Campo. Vol. 14, n. 28, jul.-dez. [Acesso em 13 maio 2022]. Disponível em: https://www.unifesp.br/reitoria/dga/images/publicacoes/Artigo%20Plano%20de%20Log%C3%ADstica%20Sustent%C3%A1vel%20-%20PLS%20um%20estudo%20comparativo%20em%20Universidades%20Federais%20da%20Regi%C3%A3o%20Metropolitana%20de%20S%C3%A3o%20Paulo.pdf

SMITH, A., 1996. An inquiry into the nature and causes of the wealth of nations [em linha]. 1776. Reimpresso em Editora Nova Cultural.

TAUCHEN, J. A., 2007. Um modelo de Gestão Ambiental para a Implantação em Instituições de ensino superior [em linha], 149pp. Dissertação (Mestrado em Engenharia), Universidade de Passo Fundo, 2007.

TAUCHEN, J. BRANDLI, L.L., 2006. A gestão ambiental em instituições de ensino superior: modelo para implantação em campus universitário. Gestão da Produção [em linha]. dez. 2006. Vol. 13, n.3. [Acesso em 13 maio 2022]. DOI:https://doi.org/10.1590/S0104-530X2006000300012

ZEITOUNE, B. et al., 2019. Práticas sustentáveis: adoção de cultura institucional em IES. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração [em linha]. vol. 13, n. 1, p. 150-168. [Acesso em 13 maio 2022] DOI: https://doi.org/10.12712/rpca.v13i1.28165 Disponível em: https://www.redalyc.org/journal/3193/319355896003/html/

ZHOURI, A., 2008. Justiça Ambiental, Diversidade Cultural e Accountability: Desafios para a governança ambiental. Revista Brasileira de Ciência do Solo [em linha]. outubro/2008. Vol. 23 n.68, p.97-107. [Acesso em 13 maio 2022]. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69092008000300007

ZITZKE, V. A., 2002. Educação Ambiental e Ecodesenvolvimento. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental [em linha]. Vol. 9, p. 503-515. Versão impressa (não está mais disponível online)

Downloads

Publicado

20/05/2022

Como citar

Maruyama, Úrsula, Trigo, A. M. G., & Trigo, J. A. (2022). Governança ambiental: transparência e efetividade de práticas sustentáveis em IES. Liinc Em Revista, 18(1), e5922. https://doi.org/10.18617/liinc.v18i1.5922

Edição

Seção

Desafios das Ciências sociais no Antropoceno