A ciência e a ordem social: ensaios para disrupção do antropoceno

Autores

  • Januário Nhacuongue Departamento de Ciência da Informação, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0002-6679-1306

DOI:

https://doi.org/10.18617/liinc.v18i1.5950

Palavras-chave:

Ciência e sociedade, Sociologia do conhecimento, Antropoceno, Povos e comunidades tradicionais

Resumo

A conscientização sobre os riscos de degradação ambiental, colapso ecológico e exacerbação das desigualdades sociais, ainda suscita questionamentos sobre os efeitos do progresso científico-tecnológico e sobre a racionalidade econômica. Neste ensaio objetiva-se discutir o antropoceno na perspectiva do desenvolvimento sustentável, procurando situar os elementos para sua disrupção a partir do papel da ciência. Assim, os seguintes questionamentos tornam-se direcionadores: em que planos a hibridização de saberes e de culturas pode ser articulada no contexto da racionalidade ambiental pela ciência? Quais são os desafios enleados à sistematização dos saberes tradicionais na Ciência da Informação? A pesquisa utiliza métodos de pesquisa bibliográfica, numa abordagem qualitativa. O marco teórico é estabelecido na vertente da epistemologia social, a partir de estudos de ciência, tecnologia e sociedade. A discussão sobre ciência e ordem social mostrou a necessidade do fortalecimento da consciência sobre a ética e os valores da ciência, para o entrelaçamento das pautas científicas com os problemas da sociedade. Também indicou que a revolução dos campos científicos não só propicia paradigmas emergentes, a partir dos quais se pode encontrar soluções para superar o antropoceno, como também permite a interdisciplinaridade. A sistematização dos saberes tradicionais requer a sua consideração enquanto conjunto de saberes, tradições, linguagens, símbolos e rituais, objetos, gestos, crenças, valores, etc., dispersos em várias manifestações das vivências dos povos e comunidades tradicionais. E, repensar de modo crítico as teorias, os métodos, os processos, as linguagens, os sistemas, as tecnologias, etc. para sua organização e representação

Referências

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de, 2008. Org. Conhecimento tradicional e biodiversidade: normas vigentes e propostas. 1º volume. Coleção documentos de bolso, n.º 4. Manaus: Programa de Pós-Graduação da Universidade do Amazonas – UEA/Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Cultura da Amazônia /Fundação Ford /Fundação Universidade do Amazonas.

ALMEIDA, Fernando, 2007. Os desafios da sustentabilidade: uma ruptura urgente. Rio de Janeiro: Elsevier.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2010. ABNT NBR ISO 26000: diretrizes sobre responsabilidade social. Rio de Janeiro: ABNT.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2015. ABNT NBR ISO 14001: sistemas de gestão ambiental: requisitos com orientações para uso. Rio de Janeiro: ABNT.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2012. ABNT NBR 16001: responsabilidade social: sistemas da gestão: requisitos. Rio de Janeiro: ABNT.

BARBIERI, José Carlos; CAJAZEIRA, Jorge Emanuel Reis, 2016. Responsabilidade social empresarial e empresa sustentável: da teoria à prática. 3. ed. São Paulo: Saraiva.

BARQUERO, Antonio Vázquez, 2005. Las nuevas fuerzas dei desarrollo. Barcelona: Antoni Bosch editor.

BARRETO, Aldo de Albuquerque, 2008. Uma quase história da ciência da informação. Datagramazero - Revista de Ciência da Informação [em linha]. 2008, vol. 9, n. 2, p. 1-17. [Acesso em 3 novembro 2020]. Disponível em: https://ridi.ibict.br/handle/123456789/162.

Boff, Leonardo, 2014. Sustentabilidade. O que é, o que não é? 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues, 2015. A comunidade tradicional. Em: UDRY, Consolacion; EIDT Jane Simoni. ed. Conhecimento tradicional: conceitos e marco legal. Brasília-DF: Embrapa. p. 21-101.

Brasil. Decreto nº 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a política nacional de desenvolvimento sustentável dos povos e comunidades tradicionais. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil: Seção 1, Brasília, DF, n. 28, p. 316, 28 fev. 2007. [Acesso em 28 junho 2019]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm

Brasil. Decreto nº 8.750, de 9 de maio de 2016. Institui o Conselho Nacional dos Povos e Comunidades Tradicionais. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil: Seção 1, Brasília, DF, ano 88, 10 mai. 2016. [Acesso em 7 de setembro 2019]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/decreto/d8750.htm.

BRUE, Stanley L, 2006. História do pensamento econômico. São Paulo: Thomson Learning.

BURKE, Peter, 2003. Uma história social do conhecimento de Gutenberg a Diderot. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

BURSZTYN, M., 2001. org. Ciência, ética e sustentabilidade: desafios ao novo século. 2ª ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO.

DUTRA E SILVA, Sandro et al., 2016. org. Ensaios em ciências ambientais: crises riscos e racionalidades. 1. ed. Rio de Janeiro: Garamond.

ELLIOTT, Jennifer A., 2006. An introduction to sustainable development. 3ed. Nova Iorque: Routledge.

INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL, 2019. Indicadores Ethos para Negócios Sustentáveis e Responsáveis. São Paulo: Instituto Ethos, 2019. [Acesso em 14 março 2021]. Disponível em: https://www.ethos.org.br/conteudo/indicadores/.

INGWERSEN, Peter, 1992. Information retrieval interaction. Londres: Taylor Graham.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION, 2014. Compliance management systems: guidelines. Genebra: ISO.

KUHN, Thomas Samuel, 2017. A estrutura das revoluções científicas. 13a. ed. São Paulo: Editora Perspectiva S.A.

LATOUR, Bruno, 2019. Investigação sobre os modos de existência: uma antropologia dos modernos. 1ª ed. São Paulo: Editora Vozes.

LATOUR, Bruno, 2012. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador: Edufba, 2012; Bauru-SP: Edusc.

LEFF, Enrique, 2002. Epistemologia Ambiental. 2. ed. São Paulo: Cortez.

LEFF, Enrique, 2001. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis, RJ: Vozes.

MEADOWS, Arthur Jack, 1999. A comunicação científica. 1ª ed. Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros.

MERTON, Robert King, 2013. 1910-2003. Ensaios de sociologia da ciência. 1ª ed. São Paulo: Associação Filosófica Scientiae Studia/Editora 34.

MOORE, Jason W., 2016a. ed. Anthropocene or capitalocene?: nature, history, and the crisis of capitalism. Oakland, CA: PM Press.

MOORE, Jason W., 2016b. De objeto a oikeios: geração do meio ambiente na ecologia mundial capitalista. Em: DUTRA E SILVA, Sandro et al. org. Ensaios em ciências ambientais: crises riscos e racionalidades. 1. ed. Rio de Janeiro: Garamond. p. 167 – 184.

MOORE, Jason W., 2013. El auge de la ecología-mundo capitalista (I): las fronteras mercantiles en el auge y decadencia de la apropiación máxima. Revista Laberinto [em linha], n. 38, 2013. [Acesso em 12 fevereiro 2022]. Disponível em: http://laberinto.uma.es/index.php?option=com_content&view=article&id=574:el-auge-de-la-ecologia-mundo-capitalista-i-las-fronteras-mercantiles-en-el-auge-y-decadencia-de-la-apropiacion-maxima&catid=128:lab38&Itemid=54.

MORAES, Nelson Russo de, 2017. et al. As comunidades tradicionais e a discussão sobre o conceito de território. Revista Espacios [em linha], v. 38, n. 12, 2017. [Acesso em 3 fevereiro 2020]. Disponível em: http://www.revistaespacios.com/a17v38n12/a17v38n12p17.pdf.

MORIN, Edgar, 2011. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), 2019: Recommendation on Open Science. UNESCO, 2019. [Acesso em 15 setembro 2021]. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000379949.

PORTO, Geciane Silveira; COSTA, Priscila Rezende da Costa, 2013. Abordagens da inovação. Em: PORTO, Geciane Silveira (Org.). Gestão da inovação e empreendedorismo. 1ed. Rio de Janeiro: Elsevier. p.45-77

ROSTOW, Walt Whitman, 1960. The stages of Economic growth: A non-communist manifesto. Nova Iorque: Cambridge university press.

SARACEVIC, Tefko, 1996. Ciência da Informação: origem, evolução e relações. Perspectivas em Ciência da Informação [em linha], v. 1, n. 1, p. 41-62. [Acesso em 13 agosto 2019]. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/235/22.

UDRY, Consolacion; EIDT Jane Simoni, 2015. ed. Conhecimento tradicional: conceitos e marco legal. Brasília-DF: Embrapa.

VELOSO, Letícia Helena Medeiros, 2005. Ética, valores e cultura: especificidades do conceito de responsabilidade social corporativa. Em: ASHLEY, Patricia Almeida (Coord.). Ética e responsabilidade social nos negócios. 2.ed. São Paulo: Saraiva.

Downloads

Publicado

23/05/2022

Como citar

Nhacuongue, J. (2022). A ciência e a ordem social: ensaios para disrupção do antropoceno. Liinc Em Revista, 18(1), e5950. https://doi.org/10.18617/liinc.v18i1.5950

Edição

Seção

Desafios das Ciências sociais no Antropoceno