O processo de inteligência competitiva como ferramenta estratégica para os clubes de futebol

Autores

  • Carlos Francisco Bitencourt Jorge UNESP
  • Marta Lígia Pomim Valentim Unesp

Palavras-chave:

Inteligência competitiva, Informação esportiva, Ambientes esportivos, Clubes de futebol, Marília Atlético Clube

Resumo

A informação é um componente intrínseco a todos os processos de uma organização. No ambiente dos clubes de futebol é possível observar enorme competitividade, que pode ser potencializada com a gestão eficaz de informações, utilizando o processo de inteligência competitiva. Sob esse viés, a presente pesquisa visa analisar e compreender o uso da informação no Marília Atlético Clube, Clube de futebol da Cidade de Marília, interior do estado de São Paulo. Para tanto, escolheu-se o método ‘estudo de caso’, em que a técnica aplicada é a triangulação. O uso de diferentes técnicas em uma pesquisa investigativa a torna mais consistente, concedendo assim validade maior aos dados e análises realizadas. Tais análises foram realizadas com o intuito de elaborar diretrizes para o processo de inteligência competitiva para o Marília Atlético Clube. Com o resultado da pesquisa foi possível identificar os tipos de informações mais importantes do ambiente externo (fontes e fluxos informacionais) bem como identificar que eles não são estruturados. A pesquisa apontou para a falta de estrutura informacional no clube, o que impossibilita a prática do processo de inteligência competitiva, e assim, foram propostas diretrizes iniciais para implantação do processo e melhor aproveitamento das informações inseridas na organização.

Biografias dos autores

Carlos Francisco Bitencourt Jorge, UNESP

Pós-Doutorado pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) - SP - Brasil. Doutor em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) - SP - Brasil. Professor da Faculdade Católica Paulista (FAC) - Brasil. Professor da Universidade do Oeste Paulista (Unoeste) - Brasil. Professor do Instituto de Ensino Superior de Garça (IESG) - Brasil.

Marta Lígia Pomim Valentim, Unesp

Livre-docência pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) - SP - Brasil.Pós-Doutorado pela Universidad de Salamanca (USAL) - Espanha. Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP) - SP - Brasil.Professora da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) - Marília, SP - Brasil.

Referências

CHOO, C. W. A Organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: SENAC Editora, 2003. 426p.

CAVALCANTE, L. F. B.; VALENTIM, M. L. P. Comportamento informacional em ambientes empresariais. In: VALENTIM, M. L. P. (Org.). Gestão da informação e do conhecimento no âmbito da Ciência da Informação. São Paulo: Polis: Cultura Acadêmica, 2008. 272p.; p.117-128

DAVENPORT, T.; PRUSAK, L. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, 1998a. 316p.

________; HARRIS, J. G. Competição analítica. Rio de Janeiro: Campus, 2007.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5.ed. São Paulo: Atlas, 1999.

HALÉY, M. A era do conhecimento: princípios e reflexões sobre a revolução noética no século XXI. São Paulo: Editora Unesp, 2008.

KAHANER, L. Competitive intelligence: how to gather, analyze, and use information to move your business to the top. New York: Touchstone, 1997.

MATTELART, A. História da sociedade da informação. São Paulo: Loyola, 2002.

MILLER, J. P. O milênio da inteligência competitiva. In: MILLER, J. P. O milênio da inteligência competitiva. Porto Alegre: Bookman, 2002.

MONTEIRO, A. M. R. C. da C.; BOTELHO M. A. G. M. A importância do trabalho com a informação jurídica esportiva na cidade de São Paulo. CRB-8 Digital, São Paulo, v.2, n.2, p.55-65, set., 2009. Disponível em: <http://revista.crb8.org.br/index.php/crb8digital/article/view/7/7>. Acesso em: 16 jun. 2012.

PÉREZ- MONTORO, M. Identificación y representación del conocimiento organizacional: la propuesta epistemológica clásica. [S.l.]: IN3 - Internet Interdisciplinary Institute, 2004. Disponível em: <http://www.uoc.edu/in3/dt/20390/index.html>. Acesso em: 2 fev. 2012.

SCHEIN, E. Guia de sobrevivência da cultura coorporativa. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2001.

SUN-TZU. A arte da guerra. 15.ed. Rio de Janeiro: Record, 1999.

VALENTIM. M. L. P. Inteligência competitiva em organizações: dado, informação e conhecimento. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v.3, n.4, ago. 2002. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/ago02/F_I_art.htm>. Acesso em: 15 jan. 2012.

________ et al. O processo de inteligência competitiva em organizações. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v.4, n.3, jun. 2003. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/jun03/Art_03.htm>. Acesso em: 11 jan. 2009.

________. Processo de inteligência competitiva organizacional. In: VALENTIM, M. L. P. (Org.). Informação, conhecimento e inteligência organizacional. 2.ed. Marília: FUNDEPE Editora, 2007. 282p; p.9-24

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2.ed. São Paulo: Bookman, 2003.

Downloads

Publicado

26/09/2018

Como citar

Jorge, C. F. B., & Valentim, M. L. P. (2018). O processo de inteligência competitiva como ferramenta estratégica para os clubes de futebol. Ciência Da Informação, 47(2). Recuperado de http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/4128

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)